PUB

Vila de Ameijoas

Vila de Ameijoas

Produto nobre do mar, as amêijoas são desde há muito indissociáveis da actividade humana nas orlas costeiras.

A Ria Formosa, zona alagada pelas marés que estende por sessenta quilómetros da costa algarvia, é um bom exemplo. Por toda a Ria, os bivalves, fáceis de capturar e de simples confecção, foram e são amplamente consumidos e comercializados.

Na Ria apanhava-se berbigão, cadelinhas, lingueirão e amêijoas de várias qualidades.
As mais apreciadas reservavam-se para momentos especiais.
Foi neste contexto que surgiram as vilas de amêijoas.
Utilizando a amêijoa-boa, este era o prato das celebrações pascais em Olhão, onde as vilas eram confeccionadas popularmente nas açoteias, servindo de pretexto para a reunião familiar e para disputas entre as casas pela melhor vila, as mais saborosas amêijoas e o melhor vinho.

Os mais ricos, que também as apreciavam, preferiam o recato de passeios de caleche até às matas interiores, onde preparavam as suas “vilas”. Na Fuzeta, as vilas estavam associadas à ida dos pescadores para as longas e perigosas campanhas do bacalhau. Antes da partida, rumavam em direcção à Igreja do Livramento para pedirem protecção e boa sorte. Depois da missa, homens, mulheres e crianças, festejavam com amêijoas, cozinhadas numa vila montada ali mesmo, no adro da capela.

As vilas de amêijoas constituem-se como símbolos de vilas de homens que, reunidos à sua volta, celebram e invocam os favores dos deuses, reconhecendo-se como comunidade na partilha dos alimentos que o mar e a terra propiciam.

Assim surgiu a famosa “vila de amêijoas”, prato típico da semana da Páscoa em Olhão mas também muito habitual em piqueniques que os olhanenses em tempos faziam nos Pinheiros de Marim.

Comentários
PUB

Veja também

Escola EB1/JI N.º 4 em Olhão alvo de intervenção

Escola EB1/JI N.º 4 em Olhão alvo de intervenção de requalificação profunda No seguimento do …

Um comentário

  1. E como se cozinham exatamente? Eu penso que sei, não sendo de cá. Mas a maioria dos portuguesas não deve saber e fica sem saber na mesma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB