Olhão é o quinto município mais transparente do Algarve

O Município de Olhão subiu, de 2014 para 2015, 54 lugares no Índice de Transparência Municipal (ITM), situando-se em 5º lugar entre os 16 concelhos do Algarve e em 87º no universo das 308 autarquias portuguesas. “A transparência é fundamental para mostrar o que fazemos e como fazemos, daí a nossa aposta e o orgulho nesta importante subida de mais de 50 lugares no ranking nacional”, refere o edil olhanense António Miguel Pina.

No Algarve, acima de Olhão, apenas encontramos os municípios de Vila do Bispo, Aljezur, Portimão e Loulé. Este ranking da Transparência Municipal, um índice promovido pela Associação Cívica Transparência e Integridade (http://poderlocal.transparencia.pt/), mede o grau de transparência das câmaras municipais através de uma análise da informação disponibilizada aos cidadãos nos seus sítios da internet.

Nos resultados, que ontem foram apresentados em Lisboa, a nível nacional, Alfândega da Fé continua a liderar o ranking, à semelhança do que acontecia em 2014, com uma pontuação de 94,23. Vila do Bispo consegue uma pontuação de 81,32 e Aljezur de 75,14. Olhão, em 87º lugar, tem uma pontuação de 53,57.

O Índice de Transparência Municipal é composto por dezenas de indicadores, entre eles a informação sobre a organização, composição social e funcionamento do Município; Planos e Relatórios; Impostos, Taxas, Tarifas, Preços e Regulamentos; Relação com a Sociedade; Contratação Pública; Transparência Económico-Financeira e Transparência na área do Urbanismo.

“Sendo, como refere a associação cívica Transparência e Integridade, o Poder Local uma pedra angular da democracia portuguesa, pelo papel fundamental que desempenha para o desenvolvimento das comunidades locais e a formação cívica dos cidadãos, é de extrema importância mostrar a todos os munícipes, para quem trabalhamos, o que fazemos no dia a dia, da forma mais transparente possível. Este 87º lugar orgulha-nos muito e pretendemos trabalhar para que em 2016 o resultado seja melhor”, testemunha António Miguel Pina.

É unânime o reconhecimento do serviço prestado pelo Poder Local à consolidação democrática e ao desenvolvimento do País, destaca a associação para quem, nos últimos anos, “o poder local tem vindo a sofrer inúmeras transformações e desafios que condicionam a qualidade e integridade da governação municipal, entre outros: a europeização do poder local; a globalização e o seu impacto social, económico e institucional; o crescente distanciamento dos eleitores em relação aos partidos e as novas formas de participação política; a maior exigência de rigor e de ética por parte dos cidadãos em relação aos seus eleitos locais; o aumento das competências das autarquias e a complexidade crescente do governo local ou o impacto das novas tecnologias no relacionamento dos cidadãos com a governação local”.

Comentários
PUB
PUB

Veja também

50 anos do 25 de Abril: Olhão celebra com participação política

Olhão Celebra os 50 Anos do 25 de Abril com Participação de Todos os Partidos

Em Olhão, no Algarve, as comemorações do 50.º aniversário do 25 de Abril foram marcadas …