PUB

Centro de Olhão angaria fundos para cuidar de crias acolhidas

O Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens (RIAS), em Olhão, iniciou uma campanha de angariação de fundos para cuidar das pequenas crias de aves e mamíferos que recebe durante a Primavera e o Verão.

Está a aproximar-se a época de mais trabalho do RIAS, altura em que recebemos mais crias – na primavera e no Verão – e como são animais que precisam de muita dedicação precisamos de aumentar a equipa”, disse em declarações à Lusa a coordenadora do RIAS.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por RIAS (@rias_olhao)

Fábia Azevedo adiantou que as crias representam “10% dos animais recolhidos no centro, 300 por ano”, mas implicam um tratamento intensivo, que no caso dos mamíferos – ouriços-cacheiros, lontras, ginetas, morcegos – envolve uma alimentação “24 horas por dia”.

As necessidades nutritivas destes animais implicam “um gasto extra”, já que é necessário adquirir “rações especiais e insectos vivos”, realçou.

Os apoios à campanha “Ajude a salvar as crias de animais selvagens”, que pretende atingir os 3.200 euros, podem ser feitos através da plataforma de ‘crowdfunding’ PPL – em ppl.pt/causas/rias – e implicam uma recompensa que, dependendo do valor doado, pode ser a fotografia digital de um dos pacientes com uma nota de agradecimento, um convite para a libertação de um animal ou mesmo uma visita ao centro, entre outros.

A bióloga sublinhou que as contribuições devem ser feitas apenas através da plataforma – e não directamente para o RIAS –. já que este tipo de campanhas implica que o valor solicitado seja atingido para que possa ser recebido.

Todos os anos o RIAS tem a necessidade de contratar pessoas para cuidar especificamente das crias, mas a pandemia de covid-19 dificultou a obtenção dos habituais donativos nas libertações de animais.

Os visitantes do centro no parque de Marim, em Olhão, eram “outra fonte de rendimento”, algo que deixou de acontecer desde o início da pandemia, em Março de 2020.

Como já não temos esses momentos há um ano, o orçamento que temos para esta altura do ano não é suficiente”, indicou a coordenadora.

Desde 2009 que o RIAS é responsável pela gestão do Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens, localizado em pleno Parque Natural da Ria Formosa.

O funcionamento é garantido pelo apoio do Aeroporto de Faro, “reduzido em 50% em 2020”, para 20.000 euros, e compensado em parte pelas “contribuições de quase todas as câmaras municipais algarvias”.

Em 12 anos o centro já recolheu mais de 15.000 animais e 2020 foi o ano mais trabalhoso, com mais de 3.000 acolhimentos. Os primeiros três meses de 2021 seguem o mesmo caminho, com “quase 900 animais” entregues, notou Fábia Azevedo.

Comentários
PUB

Veja também

Ecofest com dois dias de muitas actividades no Parque Natural da Ria Formosa

O Município de Olhão organiza, já nos dias 1 e 2 de Junho de 2019, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB