A Arte da Paz – JÚLIO RESENDE

Angola: Diz-se que um descendente de Sun Tzu, ou a sua mulher, teria escrito um livro dedicado a quem morre pela paz, e não a quem mata. Ao que se sabe, o livro continua desaparecido, provavelmente enterrado por quem não entende as dinâmicas entre as pessoas que, mesmo quando se contrariam, se amam e respeitam nas diferenças.

Síria: Tolentino Mendonça respondeu uma vez numa entrevista que a expressão máxima da miséria é: “precisar de ajuda e não ter ninguém a quem pedir”.

Já se sentiram sozinhos alguma vez? E assim tão sozinhos?

Daqui envio o meu abraço e solidariedade a Luaty Beirão, que está a morrer pela paz, e a todos os refugiados.

Esta música é para vós. Para escutarem pelo caminho até nós.

in sapo.pt

Comentários
PUB
PUB

Veja também

III Encontro Internacional Poesia a Sul – Olhão 2017

É já de 3 a 12 de Novembro de 2017 que decorre o III Encontro …

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *